Câmara põe em pauta decreto de insalubridade de servidores

Vereadores vão discutir se derrubam ou não decreto do prefeito Tião Miranda na sessão do dia 28 de maio

Na sessão da Câmara de Vereadores desta terça-feira, dia 21, um dos assuntos em pauta foi o “sumiço” de valores nos contracheques referentes à insalubridade a que centenas de trabalhadores do município de Marabá têm direito, o que vem reduzindo a renda familiar e causando transtornos a esses funcionários. O decreto foi aprovado pelo prefeito Sebastião Miranda em 2017 e, desde então, causa polêmica.

De acordo com o vereador Ilker Moraes (PHS), há mais de dois anos essa determinação vem sendo discutida e, depois de muitos debates, na próxima terça-feira (28), o decreto será pautado na Câmara com o objetivo de avaliar a possibilidade de sustação da decisão do Executivo.

“Entendemos que a Câmara Municipal precisa se posicionar e dar uma resposta à sociedade, principalmente aos servidores do município, que perderam um significativo percentual de seus salários”, explica.

Sobre a quantidade de servidores impactados com o decreto, Ilker afirma que são mais de 500 e, em sua grande maioria, se trata de profissionais da saúde, mas que a decisão também afetou os agentes de conservação da cidade (garis) e outros profissionais.

“A gente espera que a classe trabalhadora do município de Marabá venha para a sessão, principalmente, claro, os servidores que perderam parte de seus salários”, afirmou o parlamentar.

Ilker afirma que essa movimentação na Câmara não se trata de uma “guerra” do Parlamento contra o Executivo, mas sim de uma reunião para o entendimento sobre uma questão que já poderia ter sido resolvida, mas que atrasou muito. “De fato, quem está sendo prejudicado são os servidores”, sustentou.

Moraes reconhece que a Prefeitura de Marabá começou o movimento para realizar licitação para contratação de uma empresa para avaliar o grau de insalubridade dos servidores, mas acredita que o processo será longo e até que seja resolvido, os trabalhadores já terão perdido muito dinheiro.