Câmara recebe pedido de trabalhadores rurais para matricular filhos em escolas urbanas

Famílias retiradas da Vila dos Maranhenses por decisão judicial querem vaga em escolas da cidade

 

Um grupo de cerca de 80 trabalhadores rurais que residiam na ocupação da Vila dos Maranhenses, próximo ao Rio Itacaiúnas, a 30 km do Centro de Marabá, veio à Câmara Municipal na sessão desta terça-feira, 22, para pedir aos vereadores que intercedessem junto à Semed (Secretaria Municipal de Educação) no sentido de conseguir matricular seus filhos nas escolas da zona rural, uma vez que as famílias foram despejadas há cerca de um mês de suas casas na Vila dos Maranhenses.

 

Paulo Silva, representante dos moradores da referida vila, explicou que a reintegração de posse foi determinada pela Justiça, mas para eles ocorreu como um massacre, porque todas as casas foram destruídas, inclusive a escola, que atendia 70 crianças, as quais estão fora da sala de aula neste momento.

Com faixas e cartazes, eles pediam que a Secretaria de Educação aja com sensibilidade e consiga vaga para seus filhos. “Destruíram a escola dentro da Vila Maranhense construída com dinheiro da Semed, quer dizer, do povo. Mais de 70 crianças estão a deus-dará. Somos 135 famílias de sem teto, sem ter o que comer e sem ter aonde dormir. Por favor, nos ajude”, disse Paulo Silva.

O vereador Ilker Moraes se colocou à disposição para contribuir com moradores da Vila dos Maranhenses. Ele disse que por outro lado, o advogado dos trabalhadores precisa provar que a posse da área é ilegal. “Sei que houve prejuízo absurdo, com destruição das casas de vocês. Precisamos fomentar esse debate junto com a assessoria jurídica de vocês, mas temos de garantir escola para cada uma dessas crianças”, disse.

A presidente da Câmara, Júlia Rosa, reconheceu que a situação é incômoda para as famílias e disse que a Câmara iria dialogar com o secretário de Educação, Pedro Souza, para resolver o problema de falta de sala de aula para as crianças.