Comissão da Câmara reúne atores para discutir transporte coletivo em Marabá

Em reunião da Comissão de Serviços Urbanos e Obras, vereadores cobram empresas por melhorias na prestação de serviço

Na tarde desta segunda-feira, dia 12, a Comissão de Serviços Urbanos, Obras e Transportes da Câmara Municipal de Marabá recebeu representantes Conselho Municipal de Transporte, Conselho dos Direitos dos Deficientes, da Secretaria Municipal de Segurança Institucional, do Sindicato dos Trabalhadores no Transporte Público e das empresas que prestam o serviço de transporte em Marabá.

O vereador Nonato Dourado presidiu a reunião e lembrou que o transporte público já foi alvo de outras reuniões da referida comissão, além de ser pauta permanente na mídia local. Também participaram com questionamentos à empresa e Prefeitura os vereadores Cabo Rodrigo e Gilson Dias. Também participaram da reunião Jair Barata Guimarães, presidente do Conselho de Transporte; Luiz Carlos Borges, coordenador de Transportes do DMTU; Océlio Barros, vice-presidente do Sindicato dos Trabalhadores no Transporte Público do Sul e Sudeste do Pará (Sintrasul); Hélio Castro, representante do VT Card; Amanda Franco e Leo Richard Freitas, representantes da TCA e Nassom, empresas que detêm a concessão do transporte coletivo em Marabá.  

Nacélio Souza, vice-presidente do Conselho Municipal dos Direitos dos Deficientes de Marabá, disse que a entidade recebe muitas reclamações do serviço de transporte coletivo e espera que haja melhorias daqui para frente.

Leo Richard Freitas lembrou que as duas empresas estão saindo de um processo de recuperação judicial, mesmo assim enviou para Marabá mais 20 ônibus (não são novos) e que atualmente a frota conta com 63 veículos, embora não haja veículos em reserva para substituir os que quebram. Também argumentou que 100% da frota está adaptada para portadores de necessidades especiais.

Também informou que o projeto para construção do Terminal de Integração está avançado, com planta pronta e um engenheiro da Prefeitura de Marabá acompanhando todos os passos.

Questionado pelos vereadores, Leo reconheceu que o contrato com as duas empresas previa

70 ônibus, mas alegou que a empresa compete hoje com outras modalidades, como táxi e mototaxi. “Reconhecemos a deficiência, mas queremos e prometemos melhorar o serviço”, disse.

O secretário Jair Barata disse que desde que assumiu o cargo, no início de 2017, houve algumas atribuições que vieram com o cargo, entre elas a de presidente do CMT. Ele reconhece que o terminal de integração resolveria o problema que se arrasta há décadas e diminuiria o gargalo, embora fossem necessários outros dois para acabar de vez com esse dilema.

Revelou que, recentemente, ficou definido que o terminal será construído em área do canteiro central próximo à rotatória do Posto Verdes Mares, na Nova Marabá. Disse que a empresa vai construir o terminal e explorar o serviço vai montar a estrutura metálica e que a obra vai abrigar, também, moto táxi e táxi lotação. “Espero que o mapa de horários dos ônibus da empresa seja divulgado em breve e vamos criar comissão para avaliar se os ônibus estão sendo empregados de fato”, avisou.