Comissão da Juventude discute estratégias para inserção de jovens no mercado de trabalho

Construção de plano de ações e realização de roda de conversa nas escolas estão entre as metas a serem implementadas

Na tarde desta quinta-feira, 16 de maio, a Comissão da Juventude da Câmara Municipal de Marabá realizou mais uma reunião para debater ações que visam à inserção do jovem no mercado de trabalho, qualificação da mão de obra e o desenvolvimento de políticas públicas que atendam as demandas que urgem para a juventude.
A vereadora Priscila Veloso, presidente da Comissão, explicou que a Câmara está convidando todos os segmentos que trabalham e atuam com políticas voltadas à juventude, para criar mecanismos de fortalecimento e ações políticas que alcancem o jovem e melhorem a qualidade de vida, com oportunidades e geração de emprego. “O jovem tem anseio de ser inserido no mercado de trabalho. É preciso diagnosticar o que trava essa situação”.
João Felipe Miranda, presidente da União dos Jovens Socialistas (UJS), frisou que é necessário que as discussões que envolvem o jovem sejam feitas de forma suprapartidária e deixando as ideologias de lado, para que a sociedade marabaense debata o que eles sentem na pele com a falta de políticas públicas. Ele afirmou que existem muitas situações difíceis para a juventude, que acaba ficando sem expectativa. “Existe muita vulnerabilidade social. Como nossos filhos irão crescer nesta região?”, questionou Felipe.
Representando a Associação Comercial de Marabá (ACIM), Caetano Reis disse que as vagas de emprego surgem e urgem, mas empresas não têm tempo para formar o funcionário. Ele solicitou que a comissão convide para participar das reuniões o CIEE (Centro de Integração Empresa-Escola), que trabalha com programas voltados ao aprendizado e ao estágio de estudantes, além do SENAC, que também atua com educação profissional. “Marabá se tornou um entreposto do mercado varejista. E é preciso qualificar o jovem e a mão de obra local. Essas instituições tem foco neste segmento”, salientou.
Caetano também tocou que outro ponto fundamental, na visão dele, é o interesse do jovem em buscar o emprego. Ele afirmou que o mercado de trabalho é volátil e imediatista. “Quando a vaga surge, tem que ter a mão de obra preparada. A formação do individuo é muito importante para o mercado de trabalho. E as linguagens na capacitação também. Quem não possuiu conhecimentos básicos de informática, por exemplo, terá muitas dificuldades de se inserir”, frisou o representante da ACIM.
Caetano Reis colocou ainda que a Câmara deve ser protagonista nesse trabalho de levar às comunidades e escolas a mensagem e experiência para despertar no jovem o interesse do primeiro emprego, de uma forma geral. “Poderíamos realizar uma roda de conversa com a comunidade escolar  falando um pouco do universo do empreendedorismo e de emprego”, finalizou Caetano.
Representando o 34° Batalhão de Polícia Militar do Pará (PM), Odinar de Souza falou que através do PROED (Programa Nacional de Resistência às Drogas e a Violência)  a PM desenvolve curso de prevenção as drogas e a violência na sala de aula das escolas. “Iremos formar 3.127 jovens de Marabá, através do PROED, no dia 28 de junho”.
Hands Torres, da Unemar, disse que é preciso fomentar o MEI (Micro Empreendedor Individual) porque quem quer empreender em Marabá passa por muita dificuldade. “Por exemplo, quem mora ou tem sua empresa em invasão, sem título definitivo do imóvel, não consegue abrir um MEI utilizando o endereço desses locais”.
Nadia Rodrigues, analista de negócios do Sebrae, destacou que a Sala do Empreendedor tem um importante papel no auxílio à criação de novos negócios. Ela deixou claro que o Sebrae está aberto para contribuir na construção de meios que fomentem o fortalecimento do empreendedorismo em Marabá.
Ela também disse que é preciso trabalhar com duas propostas, para quem quer ser empregado ou empregador, atendendo os núcleos da cidade. “Poderíamos realizar seminários mostrando exemplos, com casos de sucessos para os jovens se espelharem. É preciso fomentar essa possibilidade no jovem”.
Ronaldo Orquisa, presidente da Unemar, usou o exemplo da Escola Plínio Pinheiro, que realiza todo ano a feira das profissões. “Essa é uma ideia que poderia ser levada a outras escolas do município, abrangendo todos os núcleos”.
O vereador Nonato Dourado, que também é membro da Comissão, disse ser necessário ampliar discussões e ideias para atrair o jovem para práticas saudáveis, saindo do universo de oportunidades negativas que permeiam a faixa etária. “É fundamental a realização de uma audiência pública para debater a questão do jovem e seus desafios”, disse o vereador.
Priscila Veloso enfatizou que é preciso que o movimento incentive o jovem empreendedor e considerou que todas as ideias expostas foram muito representativas e positivas.
Como encaminhamento final, ficou definida a construção de um plano de ações a ser desenvolvido pela rede de parceiros que atuam pelo fortalecimento de políticas voltadas aos jovens, com a realização de uma roda de conversa nas escolas, com o objetivo de inserir o jovem no mercado de trabalho, mostrando as oportunidades e as dificuldades na prática. Também deverá ser realizado um workshop nas escolas, no período noturno, com palestras voltadas para a juventude, e com a participação de toda a rede de parceiros, falando dos desafios do empreendedorismo e da inserção do jovem no mercado de trabalho. E, ainda, a realização de Feira de Profissões e ações itinerantes de esporte, ambos também nas escolas do município aos sábados.
A vereadora Priscila ainda destacou que a Comissão e a rede de parceiros estarão organizando, no segundo semestre, a Conferência da Juventude em Marabá e uma audiência pública para discussão voltada especificamente ao jovem.