Multiplicação dos ambulantes em espaços públicos preocupa vereadores

Cobrança cai em cima do Departamento, que deveria fazer cumprir o Código de Postura do município

Em discurso contundente na manhã desta terça-feira, 12, durante sessão ordinária na Câmara Municipal de Marabá, a vereadora Vanda Américo (PSD) denunciou o que ela denominou de omissão por parte do departamento do Código de Postura do município, que não freia o crescimento do número de vendedores ambulantes em espaços públicos da cidade.

Vanda vê que desde o início do ano a equipe de Postura ainda não mostrou para que veio e faz vista grossa para vários problemas que acontecem pela cidade, os quais violam o Código de Postura do município e que depois de instalados em determinado local, será difícil depois retirar as pessoas que passam a fazer dali um comércio e fonte de renda.

A vereadora denunciou que está havendo loteamento de terras em áreas verdes da cidade e citou especificamente o caso de uma banca de revista que foi montada em um canteiro entre as Folha 27 e 31, entre as agências do Banpará, Bradesco e HSBC. “Não podemos deixar que os ambulantes tomem conta da cidade como está acontecendo. Há uma frouxidão e falta de respeito às leis desse município. Nós, como vereadores, elaboramos as leis e temos de fiscalizar para que sejam cumpridas”, advertiu Vanda.

O discurso da vereadora contagiou outros colegas, como Adelmo Azevedo, o Adelmo do Sindicato (PTB). Ele disse que além do caso específico da Folha 27, o Departamento de Postura do município deixou a Praça São Francisco se transformar em uma feira ao ar livre. “Ali, agora, é um reduto para venda de galinha, panelada, crochê e muitas outras coisas que não deveriam em um espaço para o lazer das famílias. A Prefeitura precisa tomar as rédeas dessa situação, que está se multiplicando por toda a cidade”, criticou Adelmo.

Para o vereador Pedro Correa (PTB) o problema da Postura no município é crítico e avalia que os ambulantes estão tomando conta de praças e outros logradouros públicos. “O Executivo não faz do Código de Postura um órgão atuante. Muitas pessoas, de forma desesperadora, estão ocupando os espaços públicos e o Código não está sendo respeitado”, lamenta Correa, informando que no último domingo, quando foi ao jogo do Gavião, no estádio Zinho Oliveira, havia muitos vendedores.

Outro que não deixou de opinar sobre o assunto foi o vereador Nonato Dourado (PMN), que relembra que há alguns meses tentaram colocar uma banca de revista no local indicado por Vanda e houve uma pressão de vários setores da sociedade e o projeto foi barrado. “Reconheço que o povo precisa trabalhar, mas a praça não é dos ambulantes. É preciso respeitar os espaços de lazer”, opina Dourado.

Também inquieto com a situação, o vereador Guido Mutran (PMDB) revelou que houve reunião no último fim de semana e foi colocado esse problema ao delegado Alberto Teixeira, que falou que a obra da Folha 27 estava sendo embargada. “Não dá para entender, é preciso exigir que as coisas aconteçam de forma célere”, disse Mutran.