No encerramento do Outubro Rosa, vereadores entregam pauta de reivindicações ao secretário de Saúde

Câmara e um grupo de mulheres foram também ao MP apresentar pedidos por melhorias no setor de saúde

 

Em uma caminhada que partiu da Câmara Municipal de Marabá, com destino à Secretaria Municipal de Saúde e em seguida, ao Ministério Público, vereadores e o movimento de mulheres de Marabá apresentaram uma pauta de propostas a serem atendidas pelo Poder Público Municipal.

 

A presidente da Câmara, vereadora Júlia Rosa, acompanhada dos vereadores Guido Mutran, Alécio Stringari e Miguel Gomes Filho, entregou nas mãos do secretário Municipal de Saúde, Nagib Mutran Neto, e da promotora Mayanna Souza Queiroz, titular da 6ª Promotoria de Justiça de Marabá, que cuida dos feitos da saúde, um documento com a pauta de propostas construída pela Câmara Municipal de Marabá durante a Audiência Pública realizada no dia 22 de outubro de 2013, em alusão ao movimento “Outubro Rosa”.

Júlia disse que a Câmara cumpriu o seu papel, de estar presente e atuando por melhorias para a população junto ao Poder Público, visando ao atendimento de uma forma mais eficaz da população, especificamente no caso das mulheres. Júlia ratificou também, que a Câmara como um todo abraçou a causa e lutou pela campanha. “Desde o dia 1º de outubro, a Câmara, como um todo, se mobilizou em prol de levantar a bandeira da prevenção do câncer de mama e do colo do útero”, frisou a parlamentar.

A presidente enfatizou que com esse ato, a Câmara presta um serviço às mulheres do município, marca e delimita, de forma concreta e documental, as prioridades que o Poder Público deve ter na implementação de ações que tragam progresso e beneficiem diretamente o atendimento das mulheres em Marabá.

Júlia ainda se mostrou contente e disse que a audiência realizada na Câmara já surtiu efeito. “O município voltou a oferecer o exame de mamografia, temos a certeza de que a Câmara, Ministério Público, movimento das mulheres e todos que participaram da Audiência, contribuíram para isso”.

Alécio Stringari falou da importância de atitudes como essa, que fazem a diferença para que se avance no que diz respeito ao atendimento das mulheres.

Stringari lembrou que as mulheres na zona rural sofrem mais ainda para conseguir qualquer tipo de diagnóstico, sejam preventivos ou curativos, relativos à saúde.

Guido Mutran anunciou que a partir do dia 10 de novembro, a Câmara irá aderir ao movimento Novembro Azul, que é uma campanha dirigida à sociedade e aos homens sobre a importância da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer de próstata e outras doenças masculinas.

O vereador expôs que esse é o papel do Poder Legislativo: de propor e fiscalizar o cumprimento das ações que trazem melhorias a população.

Guido ainda disse que a intenção da campanha Novembro Azul é de ter êxito, assim como a do Outubro Rosa, e forma uma pauta de proposições que conscientizem os homens para a prevenção do câncer de próstata.

O vereador lembrou que esse tipo de câncer é o segundo que mais mata no Brasil, e que existem estatísticas que apontam para que de cada seis homens um é portador da doença.

Nagib Mutran, secretário de Saúde, informou oficialmente que o município voltou a fazer o exame de mamografia, e que não faltará empenho por parte da Secretaria para desenvolver as ações que melhorem a vida das mulheres e ajudem na prevenção e combate ao câncer de mama e do colo do útero. O secretário de saúde informou também que o Hospital da Guarnição de Marabá (Hgumba) firmou parceria com o município e está realizando cinco exames de mamografia por dia. Além disso, o diretor do Hgumba, Jânio Yukishigue Seto, cedeu ao município uma processadora para ser adaptada ao mamógrafo do Hospital Municipal de Marabá, que estava sem uso porque a processadora estava danificada.

A promotora Mayanna Souza Queiroz parabenizou a atitude da Câmara, e disse que tem acompanhado a quantidades de audiências que a Casa tem realizado para debater as demandas que afetam a comunidade marabaense. Ela reconheceu o esforço do município em resolver o problema do mamógrafo em menos de um mês e atribuiu essa motivação à pressão exercida pela Câmara e pelas mulheres que participaram da audiência pública.

 

Leia abaixo a pauta:

 

 

 

Pauta de propostas construída pela Câmara Municipal de Marabá durante a Audiência Pública realizada no dia 22 de outubro de 2013, em alusão ao “Outubro Rosa”, com a contribuição das seguintes entidades: Associação da Mulher de Marabá (AMMA); Arco-Íris da Justiça; União Brasileira de Mulheres; Associação de Mulheres do Bairro Alzira Mutran; Associação de Mulheres do Km 7; Associação de Mulheres do Bairro Araguaia; Associação de Moradores do Bairro Liberdade; Instituto Reviver; Centro Comunitário da Liberdade; Conselho Municipal dos Direitos da Mulher.

 

 

 

Propostas:

 

1 – Reforma, ampliação e aparelhamento do CRISMU (Folha 33);

2- Implantação de mais um Centro de Referência à Saúde da Mulher (CRISMU) no complexo Cidade Nova;

3- Contratação de mais ginecologistas para o atendimento na rede pública municipal de saúde;

4 - Promover seminário ou audiência com a Secretaria de Estado de Saúde (Sespa) com vistas a melhorar o atendimento a pacientes em tratamento de câncer ou mesmo ao diagnóstico, visando à otimização do atendimento dos pacientes no hospital de referência no estado, Ophir Loyola;

5- Que o município estabeleça prioridade de acesso e atendimento aos exames de rotina a serem realizados como: mamografia, ultrassonografia e também a prevenção ao tratamento do câncer de colo de útero;

6 - A politica de prevenção deve receber atenção e prioridade com campanhas informativas e educativas durante todo o ano, realizando eventos nas comunidades, escolas, centro comunitários, conscientizando e informando a população de uma forma clara e objetiva;

7– Que seja garantido aos funcionários do CRISMU o cumprimento da Lei 17.420, de 14 de junho de 2010, no seu art. 5º, que altera a tabela do caput do art. 4º, que trata do cargo de enfermeiro (a), sobre gratificação de 100% aos vencimentos no atendimento de média e alta complexidade;

8– Cumprimento por parte do Governo do Estado da Lei 12.802, de 24 de abril de 2013, que dá o direito da mulher à reconstituição da mama no ato da cirurgia de retirada do órgão;

9– A pactuação com HGUMBA para a realização de mamografia e cirurgias;

10 – Pactuação com o Hospital Santa Terezinha, através do SUS, para realização de cirurgias eletivas.