Operação da Estação Conhecimento levanta questionamentos na Câmara

Comissão de vereadores decidiu visitar a entidade e avaliar o que está funcionando e o que a Vale não cumpriu

O início das operações da Estação Conhecimento, no bairro São Félix, causou estranheza para vários vereadores da Câmara Municipal de Marabá, que lamentaram mudanças em relação à configuração inicial da entidade.

Quem iniciou as discussões foi a vereadora e educadora Antônia Carvalho, a Toinha do PT, a qual lembrou que no ano passado, a Vale arrecadou R$ 1 bilhão com o projeto Salobo e Marabá recebeu apenas R$ 12 milhões de royalties, o que ela considera uma migalha.

Toinha lembrou que quando a Vale anunciou a implantação da Estação Conhecimento, em 2009, disse que seriam atendidas 3.000 crianças e adolescentes com vários programas educativos e esportivos. “Estranhamente, agora em fevereiro iniciaram as atividades, não fizeram uma cerimônia de inauguração para convidar as autoridades do município e só estão atendendo 160 menores. A estação Conhecimento não é aquilo que foi propagado pela Vale. A coordenação não é de nossa cidade e nem da região e não sabemos os serviços que estão sendo oferecidos, que com certeza não tem a mesma diversidade anunciada no inicio”, lamenta Toinha.

A vereadora Irismar Araújo elogiou a colega pela exposição do problema e reconheceu que é preciso cobrar para que a comunidade seja atendida dentro do que foi proposto pela Vale. Ela disse que tem vasta documentação em relação à Estação Conhecimento e também criticou o modelo de gestão. “No início, iriam atender crianças e adolescentes de várias partes da cidade, mas agora só estão recebendo os menores apenas do núcleo São Félix”, critica.

A vereadora Toinha sugeriu que uma Comissão da Câmara visite a Estação Conhecimento para avaliar as ações que estão sendo implementadas e as que foram prometidas e não estão sendo cumpridas.