Titular da SEVOP faz relatório minucioso de obras com recursos da Caixa

Vereadores dialogam com Fábio Moreira sobre serviços de pavimentação e diversas obras que estão em andamento ou paralisadas

No final da tarde desta quinta-feira, dia 22, o secretário de Obras de Marabá, Fábio Moreira, veio à Câmara Municpal para prestar esclarecimentos sobre diversas obras que estão paralisadas ou em andamento, com recursos da Caixa Econômica Federal.

A vereadora Irismar Melo, que preside a Câmara Municipal, iniciou os trabalhos e informou que o convite ao secretário Fábio Moreira foi feito por todos os vereadores, interessados em saber o andamento de cada uma das obras.

Participaram da reunião os vereadores Mariozan Quintão, Cabo Rodrigo, Pastor Ronisteu, Cristina Mutran, Marcelo Alves, Nonato Dourado e Irismar Melo. Junto com Fábio Moreira, esteve presente à reunião Oseas Chagas, responsável pelo setor de Convênios da Sevop.

Mini laticínio

O primeiro convênio com a Caixa apresentado por Fábio Moreira foi a construção de um mini laticinio na Vila Canaã, no valor de R$ 627.586,84. Disse que a empresa estava com problema de certidões, mas já normalizou. O contrato estava legal e a obra reiniciou este mês. Avanço é de 30%.

Mercado de Morada Nova

No caso da obra do Mercado de Morada Nova, a empresa que foi contratada pela gestão anterior desistiu e está em processo de nova licitação, faltando parecer da Caixa e para liberar nova licitação.

Ginásio em Morada Nova

Ao seu lado, o ginásio de Morada Nova, a situação é outra. A  empresa reassumiu, terminou a obra, mas faltam serviços de urbanização nos arredores. Foi feita uma Carta Convite e está praticamente finalizada. A Prefeitura vai melhorar as vias laterais da rodovia BR-222 e ainda o centro de Morada Nova, para inaugurar o ginásio. A previsão é de que a entrega à comunidade ocorra em meados de agosto deste ano.

Praça no Km 7

Fábio Moreira explicou também que a Praça de Esportes do Km 7 teve de ir para nova licitação, que será no dia 26 deste mês. Ele espera que ocorra tudo certo para que não haja recursos de empresas que perderem. “O prazo é curto para que não haja perda de recursos, porque até 30 de junho tem de dar ordem de serviços”, disse, informando os vereadores que 47% das obras estão executadas.

Estádio Municipal

Estádio muniicpal – Valor de contrapartida é alta. Gestão anterior achava que conseguiria recursos. A empresa parou e não está. Como empresa não quis continuar, prevê fazer novo projeto, menor, para licitar dentro do recurso que sobra, da ordem de R$ 5 milhões. Algumas dependências foram feitas, com capacidade para 3 a 5 mil pagantes. Fundações serão mantidas. Parauapebas, Mangueirão foram feitos assim. Vai ficar espaço para outro. Quando houver recursos, quando Águia voltar a voar alto, dá para construir. Ficou dívida com outra emprea, que está sendo quitado. Vai pagar o que já foi executado. A CCM, mesma empresa que está construindo em Morada Nova e São Félix, já mostra interesse em retomar a obra, confiando no novo governo. Pediu prazo até dia dez, está reanalizando a planilha para apresentar nova proposta. Se for interessante para o munípio, vai retomar com ela, evitando distrato e nova licitação. Há muitas empresas aventureiras que colocam desconto exorbitante e não dá conta de concluir. Essa seria uma solução boa e obras poderiam ser terminadas ainda este ano.

Avenida Sudoeste

Nesta obra, Fábio Moreira disse que o prefeito Tião Miranda questionou a demora da Caixa para reanálise de obras que estavam paradas, como é o caso da pavimentação da Avenida Sudoeste, no bairro Belo Horizonte.

Grota do Aeroporto

Em relação à Grota do Aeroporto, informou que a situação é parecida com a do Estádio Municipal. A contrapartida é alta, foi reduzida de 60% para 40%, mas mesmo paralisou. Só foram executados 8,5% do total previsto. Segundo ele, a prioridade é o canal e a pavimentação, e o restante pode ficar por último. “Temos nova concepção do projeto, reduzindo as áreas afetas. Estavam previstas mais de mil desapropriações. Acredito que serão remanejadas cerca de 170 famílias. A empresa que iniciou, CCM, sinalizou na última semana que pretende retomá-la.

Empréstimo de R$ 50 milhões

Segundo o secretário, foi analisado projeto por projeto, principalmente o que diz respeito à drenagem. A maioria das ruas já asfaltadas está em péssima condição. Haverá redução no número de quilômetros porque precisa trabalhar melhor a drenagem, executando projeto que não cause problemas para as vias que não forem pavimentadas.

Ele disse que algumas obras de drenagens de ruas são pontuais, que não levam a lugar nenhum. Disse que algumas ruas que terão asfalto terão 800 metros de pavimento, mas cerca de 2 km de drenagem. A ideia é que o serviço seja de melhor qualidade, sem causar problemas para a comunidade de uma forma geral, como alagamentos.

Ainda segundo o secretário, onde há serviços medidos pela Caixa, vai esperar um segundo momento para fazer as obras com recursos próprios, porque a Caixa não permite que refaça obras deterioradas com recursos do empréstimo. Ao todo, serão quatro lotes de ruas a serem pavimentadas com os recursos do empréstimo, mas explicou que o projeto ainda está sendo redimensionado e posteriormente vai apresentar à Câmara agenda de ruas a serem contempladas por lote de serviço.

GROTA CRIMINOSA

Lembrou que esta obra estava paralisada, com problema de pagamento. A obra tinha três anos de execução e a empresa tinha direito a realinhamento, o que foi concedido. As obras estão em execução e vão começar a parte de pavimentação. Faltam ainda construir duas estações elevatórias.

Advertiu, por outro lado, que a Grota do Aeroporto é apenas a etapa que está pronta, começando do final para o início. A herança para as próximas etapas serão as estações elevatórias de esgoto, que terão capacidade de absorver toda a Nova Marabá. O projeto prevê canalização da grota, água e esgoto e pavimentação de todas as vias que estão em volta. Elas vão atravessar a ponte e seguirão em direção à Estação de Tratamento de Esgoto do bairro Amapá. A previsão de término é para o final do ano que vem.

ASFALTO NO GELADINHO

Sobre esta obra, lembrou que a empresa anterior asfatou 1,5 km dos 3 km que estavam previstos. A empresa responsável disse que tinha interesse de continuar a pavimentação, mas a imprimação que havia feito no ano passado, acabou se deteriorando. Recentemente, o proprietário da empresa informou que declinou da obra por vários problemas financeiros e técnicos. Agora, a Prefeitura terá de fazer nova licitação e vai arcar com a imprimação.

RUA AMAZONAS

Disse que a Rua Amazonas, no bairro Belo Horizonte, a verba foi perdida porque o governo anterior não conseguiu dar seguimento. A obra tem seis anos de executada e já apresenta alguns problemas.

PAVIMENTAÇÃO DA FOLHA 23

Neste caso, o secretário Fábio Moreira identificou uma via que precisa ser pavimentada, pois as outras serão contempladas pela Grota Criminosa. Com isso, todas as ruas daquela folha estarão pavimentadas.

ESGOTO SÃO FÉLIX E MORADA NOVA

Fábio Moreira apresentou termo de referência para a Caixa. Projeto não tem verba suficiente para o centro urbano de Morada Nova, mas chega ao Residencial Tiradentes. Prevê também água e esgoto na Grota do Aeroporto.

CENTRO DE INICIAÇÃO DE ESPORTE – Folha 6

A ideia inicial da atual gestão era mudar a obra de local, passando para o Bairro Belo Horizonte, numa área conhecida como Tatuzão, porque no espaço original vai consumir muito recurso com aterro, além de que a área não seria tão movimentada. Todavia, ao consultar a Caixa Econômica pedindo autorização para a mudança, a resposta foi negativa. Agora, a SEVOP vai fazer planilha para avaliar o volume de aterro para terraplanagem lá mesmo na Folha 6, pavimentando, também, a via que dá acesso ao Lar São Vicente.

Ao final da exposição, os vereadores fizeram várias indagações sobre as obras citadas e outras que não estão sendo executadas em convênio com a Caixa Econômica.