Utilização de imagem em Facebook sem autorização revolta vereadora

Vanda faz duro pronunciamento durante sessão e diz que vai recorrer à Justiça para que o autor seja responsabilizado

 

 

Ao utilizar a tribuna da Câmara na sessão desta terça-feira, 8, Vanda Américo, vereadora de sete mandatos na Câmara, mostrou muita indignação com a forma como algumas pessoas utilizam as ferramentas das redes sociais irresponsavelmente, se referindo ao Facebook, onde uma página denominada “Humor Marabaense” fez utilização indevida de uma imagem sua. Na visão dela, com o único intuito de achincalhar e debochar. 

A vereadora falou da tribuna que pretende levar o caso à justiça e solicitou à Mesa Diretora da Casa que indique um advogado do Legislativo para acompanhá-la até o Ministério Público, onde fará a denúncia. “Não quero viver isso novamente, não podemos voltar a ter esse tipo de situação desrespeitosa em Marabá. Não aceito que qualquer um use fotos minhas para serem ridicularizadas”, frisou Vanda.

Vanda acredita que isso pode ser uma represália à sua atuação, pelo seu pronunciamento sempre combativo e pelas denúncias que sempre faz na Casa. “Daqui por diante, que seja pedida minha autorização para usar uma imagem minha. Tentar desmoralizar a pessoa, nunca”.

Bastou o relato da vereadora para que os colegas vereadores se manifestassem sobre o caso. Para o experiente vereador Miguel Gomes Filho, o Miguelito, o que aconteceu é um absurdo. “Estamos em pleno Século 21, isso é de gente que não tem nada para fazer. A posição da senhora é política, as discussões nessa Casa são de ideias e não devem ser levadas para o lado pessoal”.

Em seguida, Miguelito se referiu à Vanda como a vereadora mais combativa que conheceu. “Seu posicionamento é muito importante para o município, tanto é que está no sétimo mandato”, elogiou.

Júlia Rosa, presidente da Câmara, disse que pensava já ter passado esse tempo em Marabá, e lembrou que também já viveu esse tipo de situação. “Já sofri perseguição. Me incomoda a possibilidade de se voltar a qualquer tipo de coisa que lembre esse passado. Quem é mais antigo recorda o quanto foi dura a luta pela redemocratização desse município. Não podemos admitir que isso aconteça. Vamos colocar o advogado à sua disposição. Esse tipo de nota maldosa não condiz com a boa imprensa, a qual faz a publicação e coloca a fonte, sempre no campo das ideias, nunca na esfera pessoal e de forma desrespeitosa”, disse a presidente da Câmara.

Os vereadores Ronaldo Yara, Irmã Nazaré, Pastor Eloi Ribeiro e Irismar Melo também defenderam Vanda e disseram que esse tipo de perseguição e ato desrespeitoso não cabem mais em tempos democráticos. Irismar chegou a se manifestar falando que por diversas vezes teve embate com Vanda, mas sempre de forma respeitosa. “Chegamos a um tempo em que existe uma fragilidade sobre os políticos, mas existem, também, leis que resguardam a imagem, seja ela de pessoa pública ou não”.

Irismar disse ainda, que falsos “faces”, os chamados Fakes, devem ser responsabilizados pela difamação das pessoas. 

A vereadora Antônia Albuquerque, a Toinha do PT, falou que qualquer opinião de quem não se mostra é uma afronta à democracia. “Não podemos retroceder na história e voltar ao tempo dos coronéis em Marabá. Qualquer um que um dia for atacado dessa forma, antidemocrática, deve ser defendido pela Casa”.

Vanda falou que se a intenção do ofensor era a de intimidá-la, o tiro saiu pela culatra. Ela disse que continuará ainda mais ativa e determinada para a função a que se propõe. “Não faço apenas a critica, apresento sugestões, independentemente de governo. Os governos passam e a cidade fica”.