Vanda Américo sugere radicalização com fechamento da ferrovia

Vereadora quer a sociedade pressionando o governo federal e a Vale

A vereadora Vanda Américo sugeriu na sessão desta quarta-feira, 27, na Câmara Municipal de Marabá, que os vereadores iniciem a partir de maio uma grande mobilização da sociedade local para fechar a Estrada de Ferro Carajás para pressionar as autoridades a darem uma resposta à sociedade.

Ela lembra que as condicionantes do projeto Alpa (Aços Laminados do Pará) estão sendo discutidas há mais de dois anos e a ampliação dos hospitais, investimentos em infraestrutura e educação não estão acontecendo como previsto. “A Vale tem contribuído com muito pouco ou quase nada. Sem hidrovia não teremos Alpa, Aline nem os benefícios da geração de emprego e renda para a região. Temos um poder de mobilização fantástica, já fizemos isso em 1997, quando ocupamos a ferrovia. A partir do mês de maio marcamos uma data para fazer uma manifestação, um protesto em defesa da hidrovia. Essa via de transporte é a salvação da região que está quebrada”, argumentou Vanda, que teve apoio dos demais colegas vereadores para realizar a mobilização social para fechar a ferrovia.

A ideia é forçar a direção nacional da Vale e do governo federal para que venham a Marabá negociar com a sociedade local os investimentos que estavam previstos para o Estado do Pará e ainda não foram concretizados. “Vamos mobilizar a comunidade a partir do dia 21 de maio e definirmos uma data de ocupação da ferrovia”, avisa Vanda, lembrando de outras ações dessa natureza, a última em 1997, com 15 mil pessoas durante três dias na ferrovia.