Vereador diz que Executivo ignora seus Requerimentos

João Iran reclama da situação nos bairros Araguaia e Coca-Cola

Ao usar a tribuna na sessão ordinária desta quarta-feira, 8, o vereador João Iran desabafou que estava desestimulado do trabalho de vereador, não pelo seu empenho, mas porque os requerimentos e solicitações feitas por ele, a pedido da comunidade, quase nunca são atendidos. “Meu esmorecimento é diante da dificuldade que tenho encontrado em desenvolver meu trabalho. Cerca de 80% das ruas do meu bairro são intrafegáveis. Com o asfalto da Vale para os bairros Araguaia e Coca-Cola, esqueceram o restante das ruas e olharam apenas para as vias principais”, sustentou o vereador.

De acordo com João Iran, ele não vê nenhum colega também com motivo pra dizer que está satisfeito com a atuação da prefeitura nos bairros em que atuam de forma mais veemente. “Tenho compromisso com a minha comunidade. Tenho 62 requerimentos para fazer rua nos bairros Araguaia e Coca-Cola e nunca fui atendido. Alguns de meus requerimentos foram contemplados pelos recursos que a Vale destinou em contrapartida pela duplicação da ferrovia”, disse.

A vereadora Vanda Américo disse, pedindo aparte, que o descontentamento com os serviços da prefeitura é de toda a comunidade marabaense.  “As benfeitorias do seu bairro vêm de uma negociação com a Vale. E esse acordo iniciou antes, pela duplicação da ferrovia”, lembrou Vanda.

Por sua vez, o vereador José Sidney entrou na discussão e disse que “se for falar dos buracos e das ruas sucateadas, vamos passar muito tempo debatendo. A prefeitura pode, sim, pegar uma caçamba e tapar buracos. Quando a gente quer montar uma bancada de oposição ao governo, ficamos em poucos. E a gestão atual tem sua própria base. Se eu tiver que bater no governador ou no prefeito, vou fazer e cobrar”, enfatizou Sidney.

O vereador declarou ainda que cada vereador tem de fazer uma reflexão. “Se está errado, vamos falar. Quem tá do lado do governo não é atendido pelo requerimento, imagina quem é de outro partido. Tenho quase 300 requerimentos e nenhum foi atendido”, vociferou Sidney.

Irmã Nazaré disse que se sente afrontada e que os vereadores é que são cobrados. “Fazemos nossas cobranças, tenho quase 150 requerimentos, sempre em benefício da comunidade. Falo da feira coberta do Laranjeiras e vejo a situação ridícula daquele local”, disse Nazaré. 

A vereadora ainda contribuiu dizendo que por diversas vezes tem cobrado melhorias na feira e ruas dos bairros Laranjeiras, Bom Planalto, Jardim União e não é ouvida.  “Quando saio na rua o povo vem é em cima de nós”, disse.

Finalizando sua fala, João Iran disse que é vereador para ajudar e reivindicar, mas que infelizmente o sistema não funciona como o vereador almeja. “Até aqui não tenho do que me envergonhar do meu mandato, defendo a causa do povo. Infelizmente o que resta para o vereador é esse microfone”, lamentou o João Iran.

Miguel Gomes Filho deixou bem claro que é governo, que acredita no que a gestão está fazendo. “Quero dizer que quando vejo algo errado, reclamo, porque está errado. Mas quando estiver certo, parabenizou, porque também faço parte das conquistas”, disse Miguelito.

Orlando Elias disse que mora na região do KM 7 há 26 anos, e só presenciou o maior desenvolvimento nos bairros daquela região justamente no governo de João Salame. “No Km 7 temos a construção de praças, creches e asfalto. No Araguaia, temos conclusão de escolas, asfalto, iluminação pública. Na Coca-Cola temos asfalto e iluminação pública. O governo tem seus problemas, isso é fato. Se formos reparar com detalhes, sempre tem algo a se fazer, mas o prefeito João Salame está trabalhando”.

O vereador Coronel Antônio Araújo, líder do governo na Câmara, explicou que as obras que estão sendo realizadas nos bairros Araguaia e Coca-Cola têm a participação do prefeito nas negociações e imposições em prol da comunidade afetada pela duplicação da ferrovia. 

Araújo sustentou que quem se considera da base precisa assumir essa postura em todos os momentos. Para ele, quem nega que a prefeitura não tem obras em execução, está faltando com a verdade. “O governo começou a atender pela periferia. Quem já fez essa visita às obras, sabe que é inegável que elas existem. Existe uma equipe que está fazendo a recapagem, e está fazendo a operação tapa buraco, mas os problemas não se resolvem de uma única vez”.