Vereadores dialogam com Sespa e SMS sobre precauções ao coronavírus em Marabá

Para a sessão ordinária desta quarta-feira, 18 de março, a Mesa Diretora da Câmara Municipal de Marabá convidou a diretora do 11º Centro Regional de Saúde da Secretaria de Estado de Saúde (Sespa), Etiene Santos, e o secretário municipal de Saúde, Luciano Lopes Dias, para apresentarem, de forma sintética, o plano de contingência para frear os impactos do coronavírus em Marabá.
Etiene reconheceu que a responsabilidade é grande pela relevância do assunto, mas ela tem de ser compartilhada com municípios e a população. Disse que a Sespa trabalha em harmonia com o município e que as principais ações do Estado estão contidas no Plano de Contingenciamento, mas também divulga diariamente notas técnicas, alertas e boletins para os municípios com orientações da doença, de como preparar os seus planos contingenciais, dar assistência aos pacientes através do Hospital Regional, garantir apoio técnico capacitado para coleta de insumos, distribuição de medicação, articulação com a atenção básica para monitoramento de pacientes, entre outras questões que estão dispostas no site da Sespa.
Ela ainda explicou que haverá vaga zero, ou seja, porta aberta para pacientes diagnosticados com o coronavírus e encaminhados pelo município para o Hospital Regional, com a disponibilização de quatro leitos para esses casos, com entrada diferenciada para evitar qualquer tipo de perigo de contaminação.
Luciano Dias afirmou que em caso de um paciente apresentar sintomas da COVID-19, deve primeiramente procurar a Unidade Básica de Saúde, onde será atendido por um clínico geral. O médico identificará os parâmetros da doença, acionará uma equipe de contingência, o paciente ficará em uma sala isolada do posto de saúde e uma equipe externa ficará responsável pela coleta do sangue, para realizar o exame. Logo em seguida, o paciente será levado para a residência dele, sendo medicado e assistido com todos os insumos devidos, aguardando o resultado do exame durante 72 horas, em isolamento.
Caso o resultado seja positivo, o indivíduo será encaminhado para o Hospital Regional, porém na situação de não haver vagas, o paciente será transferido para o Hospital de Guarnição de Marabá (HguMba), em outra hipótese, esgotando as vagas no HguMba a pessoa será enviada para um ala especial que foi montada no Hospital Municipal de Marabá (HMM).
Para o paciente que chegar com sintomas diretamente no HMM, haverá uma triagem especial. Lá estão sendo montados dez leitos com ventiladores mecânicos para ajudar na respiração, uma vez que, a doença acomete principalmente o sistema respiratório. Caso se agrave o estado do paciente, o indivíduo será encaminhado para os outros hospitais já mencionados. Por fim, em caso de superlotação, o Exército será acionado com hospitais de campanha.
O secretário também explicou que, diariamente, a Secretaria Municipal de saúde está monitorando, através de informativos oficiais do governo, a situação do coronavírus em todo estado do Pará. Haverá também informativos nas rodoviárias e aeroportos orientando as pessoas que, caso apresente sintomas, procure as unidades de saúde.
O Centro de Especialidades Integradas e o Centro de Referência da Mulher (Crismu) terão suas agendas refeitas. As pessoas no grupo de alto risco, crianças e idosos, terão suas consultas remarcadas para outro momento a fim de evitar que saiam das residências para consulta médicas eletivas, se for uma consulta de urgência será atendida, e as consultas nestes dois centros serão reduzidas a 50% para evitar aglomerações nestes espaços.
Está acontecendo também um treinamento com técnicos e enfermeiros para capacitá-los para coleta de material. Outros profissionais já foram capacitados em Belém (Sespa) e estão reproduzindo para toda rede, para que outros profissionais possam fazer a coleta em todas as unidades para a realização dos exames.
Em caso de sintomas suspeitos que são febre e dificuldade de respirar, e se tiver viajado para áreas onde já há a presença do vírus, a pessoa pode ligar para o Samu no 192.
Preocupados com a pandemia e com o risco iminente de proliferação da doença em Marabá, vários vereadores fizeram questionamentos em relação aos procedimentos anunciados, em mais de duas horas de diálogo com os representantes da Sespa e Secretaria Municipal de Saúde.