Vereadores recebem demandas de moradores dos residenciais Tiradentes e Jardim do Éden

Na manhã desta segunda-feira, 24, um grupo de moradores de dois residenciais populares em Marabá participaram de uma reunião na Câmara Municipal, em que relataram as condições sanitárias dos mesmos e pediram intermediação da Câmara para que o drama de quase 2.500 famílias seja amenizado.

O grupo foi recebido pelos vereadores Alecio Stringari, Pedro Correa e Beto Miranda, este último presidente interino da Casa. Eliete Almeida, moradora do Residencial Tiradentes relatou o grama dos moradores das casas populares do conjunto Tiradentes, entre São Félix e Morada Nova, construído pela HR Engenharia com financiamento pela Caixa através do programa Minha Casa Minha Vida.

Eliete contou que o sistema de esgoto sanitário está muito danificado e as fezes ficam expostas nas ruas, causando um mau cheiro infernal. Além disso, relata, há ainda problemas com fornecimento de água, pois foram cavados quatro poços artesianos, mas o produto está impróprio para o consumo por causa do excesso de ferrugem. “Houve discussões, acordos, mas não cumpriram com nada. A água é imprópria até para lavagem de roupa, imagine para beber. Foi dito que quem tivesse dinheiro, que cavasse sem poço, mas o que dizer de quem não tem, que é a maioria. Estamos procurando colaboração da Câmara Municipal para ajudar”, clama ela.

Ela também reclama que as moradias não são dignas e algumas ruas estão em estado crítico, praticamente intrafegáveis. Na chuva, ninguém sai de casa porque fica ilhada. A moradora diz que a HR põe culpa na Caixa, e vice-versa, o mesmo acontecendo com a Prefeitura Municipal. “Mas todos têm suas responsabilidades, desde que foi assinado um TAC (Termo de Ajuste de Conduta) no Ministério Público. “Estamos buscando solução para os dilemas. Os moradores estão indignados e já falam de novo em interditar a rodovia. Antes, viemos pedir colaboração”, avisou.

Vera Lucia Silva dos Santos – presidente da Associação de Mulheres do Bairro Tiradentes, reclamou também da falta de ações de saúde para o Residencial, além de segurança e dignidade. “Prometeram pra gente que o local teria qualidade de vida, mas foi uma mentira. Estamos pedindo socorro. Os jovens estão entrando na criminalidade porque estamos abandonados de ações sociais”.

Vera diz que a comunidade já pediu uma unidade básica de saúde para aquele bairro, que tem 1.410 famílias. O posto mais próximo fica em Morada Nova, assim como em São Félix.

Segundo ela, O Residencial Tiradentes foi o bairro que mais teve morte de jovens nos últimos anos. As quadras esportivas viraram palco de criminalidade e os centros comunitários ficaram abandonados.

Josimar Feitosa Bezerra disse que acompanha o Centro Comunitário desde a inauguração do residencial e lembrou que há um TAC assinado no Ministério Público definindo as responsabilidades de cada ente, mas ninguém cumpriu as suas. “A HF se comprometeu em adquirir filtros especiais, mas nunca foram comprados. O sistema de drenagem foi refeito para fazer escoamento de água da chuva. Todavia, alguém deixou de fazer a limpeza permanente e o problema voltou”, lamenta.

Francisca Valdênia, representante do Residencial Jardim do Éden, um residencial em Morada Nova com 950 casas, disse que embora este seja o mais novo residencial, inaugurado na gestão atual, há vários problemas sem solução, principalmente com o sistema de água.

O vereador Pedro Correa, falando em nome dos colegas, lamentou a grande demanda de problemas existentes nos residenciais, e destacou que todos os vereadores já sabem deles, inclusive já fizeram e reiteraram várias vezes os dramas relatados por eles. “O abandono que vocês estão se referindo não é privilégio de vocês. Os residenciais foram feitos de forma irregular e em locais inadequados. Criaram esses bairros e não elaboraram projeto para manutenção”, lamentou.

Alecio Stringari lembrou, também, que já participou de várias reuniões para discutir as demandas dos residenciais e a Caixa precisa ser apertada, porque ela recebeu a obra sem as condições mínimas necessárias.

Revelou que apenas ele apresentou 10 requerimentos sobre as demandas dos residenciais e sugeriu que todos os itens que precisam de manutenção sejam elencados em ofício para que a Câmara faça documentos separados para Caixa, HR Engenharia e Prefeitura de Marabá, cobrando de cada ente sua responsabilidade, o que foi aceito e elogiado pelos moradores.

Ao final da reunião, os moradores do Residencial Tiradentes receberam informação vinda da Secretaria de Obras, dando conta que um poço artesiano novo será cavado e um carro de limpa-fossa começará a retirar materiais a partir da semana que vem.