Câmara pede desburocratização na emissão de RG em Marabá

Tema que gera grande reclamação da população e repercussão na Câmara, a confecção de documentos pessoais em Marabá foi debatida, mais uma vez, durante sessão ordinária ocorrida está semana na Câmara Municipal de Marabá.
O vereador Ronaldo da 33 frisou que esteve na última semana em Belém, procurando solução para a questão. O parlamentar destacou que foi à Sejudh (Secretaria de Justiça e Direitos Humanos do Estado do Pará) solicitando aumentou na quantidade de documentos produzidos em Marabá e melhoria no atendimento de emissão de documentos Registro Geral (Identidade), porque os agendamentos estão muito distantes e dificultando a vida das pessoas por falta de material. “Hoje já tem gente agendada até para 2022, e a vida do cidadão fica parada”, lamentou.
Márcio do São Félix também se manifestou sobre o tema. O vereador relembrou que esse é um problema que vem se arrastando no município já há algum tempo. “Temos agora o agravante da questão das escolas, que é exigido o RG dos alunos”. Segundo ele, é preciso convocar também a Prefeitura para contribuir na emissão de documentos. “Temos de convocar o governo municipal para que se manifeste e tome alguma atitude. Antes nós tínhamos o Saci, que também dava esse suporte. O governo municipal tem de fazer parte desse processo, de responsabilidade das três esferas, dando suporte à nossa sociedade”.
No mesmo sentido, o vereador Aerton Grande disse estar com um anteprojeto para criar um núcleo de atendimento ao cidadão em Morada Nova. Para ele, quando se fala em emissão documento, há vários relatos que os moradores precisam de identidade com urgência e ela é agendada um ano à frente, prejudicando cidadãos. “Pessoas têm perdido oportunidades. Muitas vezes querem receber um auxílio, fazer um concurso e não conseguem esse tão importante documento”.