Vereadores voltam a cobrar regulação do Regional em Marabá

Boa parte dos vereadores tem se manifestado para que a regulação do Hospital Regional do Sudeste “Dr. Geraldo Veloso” volte a ser realizada em Marabá, para evitar alguns problemas operacionais e otimizar os serviços de atendimento da população do sudeste do Estado.
Márcio do São Félix voltou a criticar a questão da regulação, que de acordo com ele está sendo feita por Belém e tem causado problemas. Ele afirmou que nesta segunda-feira, 15, sentiu na pele o sofrimento por meio de uma pessoa bem próxima a ele. “O pai de um amigo que mora em Dom Eliseu foi regulado para o Hospital Regional de Marabá, mas como não tinha vaga, o transferiram para o Hospital de Tucuruí, sendo que no hospital de Campanha havia leito disponível. Com ajuda, conseguimos mudar a referência para o Hospital de Campanha daqui e em questão de horas foi internado em Marabá”, revelou.
O presidente da Câmara, vereador Pedro Corrêa, se manifestou também sobre a regulação. Ele afirmou que durante sua gestão à frente da Sespa, foi uma luta para manter a regulação em Marabá. Para ele, é importante que fique no município, para atendimento da população.
Pedrinho observou que um dos principais problemas da regulação ser realizada em Belém é que o regulador, por vezes, não conhece a estrutura e o suporte dos hospitais locais. Então, encaminha pacientes para hospital que tem leito, mas não possui a retaguarda para dar suporte para aos pacientes. “É preciso que haja sensibilidade para encaminhar o paciente para a localidade correta. A pessoa que regula em Belém não conhece da realidade dos hospitais aqui. Muitas vezes, o regulador está preocupado em colocar no leito vago. Já vi paciente ser encaminhado para Tucuruí e Rondon sem condições para isso. O regulador daqui conhece a estrutura dos hospitais da região. Eu somo força para que possamos debater a situação e o retorno da regulação para cá”, disse o presidente.
A vereadora Cristina Mutran, que vem defendendo o retorno da regulação para Marabá, confidenciou que no período em que trabalhava na Secretaria Municipal de Saúde teve caso de paciente que foi encaminhado até para o hospital de Bragança. “É preciso lutar para que a regulação seja feita em Marabá. Estamos com paciente que está há 7 dias aguardando leito no Hospital Regional de Marabá. Não podemos ficar a mercê de Belém para essa regulação”, desabafou.