Brejo do Meio recebe vereadores em Sessão Itinerante

Câmara cria comissão para cobrar do Executivo as demandas propostas pela comunidade da vila

Na noite desta quarta-feira, 17, dez vereadores estiveram presentes na primeira Sessão Itinerante da 3ª Sessão Legislativa da 17ª Legislatura, ocorrida na Vila Brejo do Meio, distante 20 km da sede do município, onde a Câmara Municipal de Marabá mobilizou toda a sua estrutura em direção ao Distrito para ouvir as principais demandas da comunidade.

Proposta pelos vereadores Miguel Gomes Filho, o Miguelito, presidente da Câmara, e Coronel Antônio Araújo, a reunião teve início às 18h30, na Escola Raimundo Gomes, e contou com a participação de mais de 200 pessoas da comunidade, incluindo líderes da vila.

Ao dar início aos trabalhos, o presidente da Câmara, Miguelito, disse que a prioridade era ouvir os moradores e seus representantes sobre as principais demandas do Distrito e que era fundamental que eles fizessem uso da palavra no primeiro momento.

Ao usar a tribuna, Damasceno Filho, líder comunitário, lembrou que em 2013 os moradores do Brejo do Meio fizeram inclusões e pedidos no PPA elaborado pelo Poder Executivo, e não foram atendidos. Damasceno disse que a região tem forte vocação para a agricultura familiar, mas lamenta que não haja projetos de desenvolvimento e técnicos que ajudem a melhorar a ação dos colonos. O líder comunitário reconheceu o trabalho feito pela Sevop, no que tange ao melhoramento das vicinais e estradas da região, mas lamenta que mesmo assim, as estradas ainda são precárias.

Por fim, Damasceno entregou um documento ao presidente da Câmara com as demandas principais da região e tudo que foi solicitado no PPA 2013. Ele também sugeriu ao Legislativo a criação de uma Comissão Permanente de Defesa do Desenvolvimento da Área Rural.

José Osmar Ferreira Lima disse que mora em Brejo desde 1979, e acompanhou o trabalho de vários prefeitos em Marabá. Na sua concepção, o Orçamento do município é grande e daria para o Brejo ter recebido mais recursos nos últimos sete anos. De acordo com ele, foi muito pouco o que ficou para a comunidade.

Osmar fez algumas reivindicações e disse que era necessário, pelo menos, que a vila tivesse recebido 13 km de asfalto nesses últimos anos, do Km 9 até a sede, ampliação do sistema de água, que foi construído em 1994 e não passou por nenhuma adequação; estradas vicinais e pontes de concreto ligando os assentamentos; posto de saúde na Serra do Encontro; ampliação do Posto de Saúde da comunidade; Correio Comunitário; apoio aos estudantes que fazem cursos pré-vestibular; sistema de telefonia móvel; e ajuda de custo para os polícias lotados naquela comunidade.

Adaílton Alves Pereira, presidente da Associação dos Desportistas do Brejo do Meio, clamou para que alguns temas dentro do PPA de 2013 fossem atendidos. Citou como exemplo o drama da saúde, reforma e ampliação do Centro de Saúde. Presença de dentista e oftalmologista a cada 15 dias.

Na Educação, Adailton solicitou a implantação do ensino médio regular e transporte escolar para alunos dos três projetos de assentamento existentes na região. Na infraestrutura, ele pediu a manutenção da estrada do Brejo do Meio e acesso aos PA’s.

O líder comunitário cobrou ainda providências junto à empresa de telefonia Claro, vencedora da licitação do para a zona rural de Marabá, mas que nunca efetivou os serviços e a inclusão de programas governamentais como o “Minha Casa Minha Vida Rural” e Pronatec Campo, para serem implantados na comunidade.

 João Cardoso, ex-vereador e liderança da comunidade, disse que a comunidade queria saber o que os vereadores poderiam oferecer. Na avaliação dele, quando um município tem renda, as coisas melhoram, e disse que é preciso o desmembramento para que Brejo do Meio se torne município e que não adianta paliativo.

“Dia 27 a Alepa estará em Marabá com a Comissão de Criação dos Novos Municípios para fazer um levantamento sobre a viabilidade e capacidade de quem requer emancipação”, disse Cardoso, para quem é fundamental a emancipação do Brejo do Meio, citando o exemplo de outros locais que se desmembraram de Marabá e hoje têm um desenvolvimento bem melhor.

O vereador Ubirajara Sompré disse que é preciso continuar a recuperação das vicinais e concordou que a Vila Brejo do Meio precisa receber mais obras.

Ronaldo Yara reconheceu a precariedade do serviço de comunicação na zona rural e disse que esteve em audiência na Anatel, em Brasília, e cobrou uma solução sobre o serviço móvel telefônico na zona rural de Marabá. Inclusive, citou a situação do Brejo do Meio como exemplo, colocando que a Claro faz propaganda de que o serviço já está em funcionamento, quando em verdade isso não acontece. “Estou com outro agendamento para falar de novo sobre o problema e vamos cobrar uma resposta para a população”, salientou Yara.

O vereador Pedro Correa Lima demonstrou tristeza sobre a precariedade do sistema de água e lamentou que a comunidade esteja há 21 anos aguardando por ampliação e melhoria do serviço. “É preciso que os governos reconheçam o crescimento e façam as melhorias necessárias para a região”.

Pedro disse que quando atuou como secretário de Saúde trouxe a primeira ambulância para região de Brejo do Meio. Afirmou que é preciso promover a prevenção e educação em saúde, diminuindo alguns índices de usos de alimentos como sal, açúcar e o uso de fumo. “Viemos com o propósito de recolher informações para cobrarmos o que for preciso”.

Alecio Stringari disse que em Marabá há mais de 3 mil quilômetros de vicinais, e que o Governo Municipal vem fazendo uma bom trabalho na recuperação de estradas e pontes, realizando uma dinâmica diferente nas estradas da zona rural. Ponderou que é preciso haver união entre a comunidade e o Poder Público, mas incentivou a comunidade a continuar lutando por seus direitos.

Ao usar da palavra, o vereador Antônio Araújo destacou a importância de a Câmara estar próxima da comunidade e disse que por isso requereu a sessão naquela vila. “A importância de vocês trazerem a demanda e cobrarem ações para a comunidade é fundamental”.

Araújo explicou à comunidade que o vereador cobra, fiscaliza, mas quem realiza é o Poder Executivo. “Temos de fazer gestão para conseguirmos junto ao Executivo melhorias para a região. As vicinais já foram alcançadas, agora precisamos abraçar as outras demandas de vocês”.

Miguel Gomes Filho solicitou de pronto que a Câmara crie uma Comissão Especial para tratar das demandas encaminhadas pela Comunidade do Brejo do Meio, nomeando durante a sessão os vereadores Alecio Stringari, Pedro Correa, Ubirajara Sompré, Ronaldo Chaves e Coronel Araújo para a missão. “Vamos dar resposta a vocês. Temos essa obrigação porque o que as lideranças da região fizeram tem de ser recompensado. Precisamos trazer emprego e renda para a região. Temos de fomentar a indústria para cá, que contribua com novos postos de trabalho para os jovens. Essa é a maior obra que pode ser feita para o povo do Brejo do Meio”, avalia o vereador.

Miguel sustentou que os vereadores têm de fazer mesmo é cobrar. “Temos feito o que é possível, só o Brejo do meio tem médico no posto de saúde na zona rural, e aqui nunca falta medicamento. Há algumas questões muito boas aqui. A comunidade que reivindica faz um ato de cidadania e as lideranças do Brejo têm feito um excepcional trabalho em busca do melhor para a localidade”.

Estiveram presentes à sessão os vereadores  Miguel Gomes Filho, Pastor Eloi Ribeiro, João Iran, Ubirajara Sompré, Pedro Corrêa, Alécio Stringari, Ronaldo Yara, Edivaldo Santos, Coronel Araújo e Orlando Elias.