Novembro Azul tem sessão especial na Câmara

Vereador Guido Mutran diz que preconceito é a grande causa para homens não realizarem o exame preventivo do câncer de próstata

 

Nesta terça-feira, 26, a Câmara Municipal de Marabá teve uma programação bem diferente do que prevê a realização das sessões semanais. Ao invés de uma, foram realizadas duas sessões.

O primeiro tema a ser debatido foi a campanha mundial do combate ao câncer de próstata, denominada como “Novembro Azul”, que fortalece  a campanha de conscientização realizada por diversas entidades no mês de novembro, dirigida à sociedade e aos homens sobre a importância da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer de próstata e outras doenças masculinas.

Guido Mutran lembrou que a campanha já existe a nível nacional, e que ele apresentou um projeto de Lei para que na quarta semana de novembro seja decretada a Semana Azul em marabá.

Na visão do vereador, a grande incidência da doença existe porque os homens criam tabus para realizar o exame. “Temos que tratar isso de uma maneira simples, como as mulheres fazem o preventivo, não através de tabus e besteira. Isso só nos leva a descobrirmos a doença  tardiamente” afirmou Guido.

O idealizador da reunião, em parceria com a Secretaria de Saúde, distribuiu folders na sessão e em outros locais do município, indicando a forma de tratamento. “A população tem que ter a informação de forma simplificada, um alerta para o diagnóstico do câncer e o lugar em que pode ser tratado em Marabá”, disse Mutran, colocando ainda que a medida é procurar um urologista.

Guido alertou aos vereadores e ao público presente, que o compromisso da Câmara é com a população, e não é apenas com asfalto e saneamento, mas com a saúde do povo. “Temos que orientar a comunidade, fui aos postos de saúde entregar os folders, em algumas empresas e secretarias municipais. Com o esclarecimento, ainda notamos um índice alto da doença. Esse é um direito de todos, e neste município existe o tratamento e os locais para o atendimento”, finalizou o vereador.

Valdirene Duarte, enfermeira do departamento de Atenção Básica da Secretaria Municipal de Saúde, disse que o Novembro Azul é um programa de combate mundial do câncer de próstata. “Os homens ainda têm ideia preconceituosa quando se trata do tratamento da doença. A conscientização e a sensibilização da causa são de suma importância”.

Valdirene  afirmou que o toque retal afasta os homens da precaução. “Em 2014 morrerão 12 mil homens com a doença, e ela pode ser prevenida”.

Valdirene ainda lembrou que o município estará realizando um momento especial alusivo ao Novembro Azul, com uma programação a ser realizada no Centro de Saúde Pedro Cavalcante,  onde haverá  ações de prevenção do câncer de próstata e outras doenças masculinas.

Palestrante do dia, Gilberto Carlos Alexandre, urologista e marabaense de nascimento, lamentou que não tenha radioterapia em Marabá, mas ratificou que o diagnóstico e a parte básica dá para realizar no município. Disse que o Novembro Azul precisa ser massificado e que o tabu é grande mesmo. “Muitos pacientes não querem fazer exame de toque por preconceito, mesmo que haja suspeita enorme para positivo”, enfatizou o médico.

Gilberto colocou que a partir de 40 anos, os homens devem fazer exame de sangue (PSA), e que quando o câncer acontece abaixo dos 60 anos, geralmente é mais agressivo. “ A próstata começa a crescer com 30 anos de idade”. Um dos sintomas, de acordo com o palestrante, geralmente, é que  a pessoa começa a urinar bastante e depois a urina vai ficando rala.

Nagib Mutran Neto, secretário municipal de Saúde, reconheceu que o grande problema é a informação. Nagib afirmou que muita gente foge da cirurgia com medo de ficar impotente, mas não é a maior parte, e que a Secretária Municipal de Saúde tem se empenhado, mas reconhece que ainda está engatinhando e que há apenas um urologista na rede municipal. “Precisamos encontrar mais profissionais dessa área”, concluiu o secretário.