Vereadores avaliam resultados das eleições

Reeleitos e não eleitos dizem que continuam com suas ações até o fim de seus mandatos

Passada a eleição do último dia 2 de outubro, boa parte dos 21 vereadores da Câmara Municipal de Marabá se reuniu ordinariamente pela primeira vez nesta terça-feira, 4. Como não poderia deixar de ser, a sessão foi marcada pela avaliação do resultado da eleição do último domingo, 2, em que os mais de 125 mil eleitores que foram às urnas em Marabá escolheram seus candidatos a prefeito e vereador para o quadriênio 2017-2020.

Primeiro a usar a tribuna, o vereador Edivaldo Santos parabenizou todos os eleitos e disse que não vê ninguém como perdedor. Revelou que fez festa para comemorar a derrota, com auxílio até de pandeiro. “Meu nome ficou na história do Legislativo desta cidade”.

Leodato Marques, também sorrindo, usou a tribuna para parabenizar os eleitos. Agradeceu os mais de 1.200 votos que recebeu, embora não tenha sido reeleito. “O povo me reconduziu, mas foi o coeficiente eleitoral que me tirou. Estou entre os 21 mais bem voltados e poderia continuar. Minha história começa mais forte ainda”, desabafou.

Vanda Américo, que tem sete mandatos consecutivos na Câmara Municipal e não foi reeleita, parabenizou todos os colegas que conseguiram a votação necessária para continuar no cargo. Disse que espera que Marabá seja melhor que os últimos oito anos. Agradeceu os votos que recebeu e reconheceu que o processo eleitoral é democrático e todos precisam aceitar isso. “Saio com o senso de dever cumprido. Não vou reclamar de nada, o que passou passou”, destacou.

Por outro lado, a vereadora aguerrida lembrou que há ainda dois meses e meio de mandato e a cidade está jogada às traças, não há médico nos hospitais e a Humanitar, empresa que fazia  a gestão da parte médica nos hospitais Municipal e Materno Infantil, abandonou as duas casas de saúde por não receber pagamento. “O município é quem está sendo penalizado. É natural que quem perdeu esteja triste, mas devemos cumprir esse mandato até 31 de dezembro”, conclamou.

Mais contundente, Vanda alertou os colegas que a Câmara não pode ficar alheia à situação do município, que está mergulhado em dívidas. “Todos os repasses federativos estão vindo e estão fazendo o quê? Não justifica a situação de calamidade que está se abatendo sobre Marabá. Vamos continuar cobrando, porque esse é o papel deste Poder”.

O vereador Ronaldo Yara, que também não foi reeleito, analisou que o processo político e democrático deve ser respeitado. Ele elogiou a colega Vanda Américo e disse que nunca mais Marabá terá um vereador com sete mandatos consecutivos.

Guido Mutran disse que vai continuar sua atuação como vereador até o final do ano e que, mesmo depois, continuará denunciando tudo que for feito de errado no município.

Eleita para o terceiro mandato consecutivo, Irismar Melo disse que a campanha foi dura e que lutou muito para o melhor de Marabá nos últimos anos. Fez um desabafo, disse que foi perseguida durante os últimos quatro anos e atribuiu sua reeleição no último domingo a Deus e às 999 pessoas que depositaram confiança nela.

Ubirajara Sompré disse que Deus sabe o que faz e agradeceu a todos os que trabalharam na sua campanha. Parabenizou o povo de Marabá pelas escolhas feitas e disse que acredita que Tião Miranda vai organizar a Prefeitura e espera que tempos melhores tomem de conta da cidade.

Coronel Antônio Araújo disse que foi o décimo vereador mais bem votado do município e lamentou que mesmo assim tenha sido ficado de fora da lista dos eleitos. Agradeceu as pessoas que confiaram nele e lamentou o alto índice de abstenção e votos nulos e brancos, que atingiram mais de 25% em Marabá, o que, segundo ele, mostra a descrença da população na classe política.

Alécio Stringari lamentou que a campanha eleitoral este ano tenha sido marcada por difamações e ilações nas redes sociais e reconheceu que o novo prefeito terá uma tarefa árdua e que comemorou que a zona rural tenha eleito quatro representantes.

Antônia Carvalho, a Toinha do PT, não disputou a reeleição, mas reconheceu que foi feita uma campanha contra os atuais vereadores e que o voto tornou-se uma mercadoria barata, analisando que o processo eleitoral será sempre complicado. “Essa é a lógica que funciona, infelizmente”, criticou.

Pedro Correa, reeleito, agradeceu os eleitores e a sua equipe que trabalhou com afinco na campanha. Mandou recado para os que venceram a eleição: “Precisaremos de algumas coisas nesta Casa, mais divulgação. Quantas ações não fizemos nesta Casa e não apareceram, não tivemos visibilidade? Precisamos criar um informativo mensal para que todos possam distribuir para aqueles que colocam em xeque seu trabalho. Precisaremos fortalecer o site, porque a maioria das pessoas não tem tempo para estar na Câmara no dia de sessão”, disse.

Correa concordou com Vanda Américo de que o mandato não terminou, e que todos devem trabalhar, independente dos que se reelegeram ou não. “Temos de convidar o gestor a vir prestar contas para que tenhamos conhecimento das condições financeiras do município. “Ele não pode ter medo desta Casa. Nós temos um papel e ele outro”.

Ilker Moraes, outro reeleito, concordou com o colega Pedro Correa e disse que o Legislativo precisa se preocupar com a visão que a sociedade tem do Parlamento marabaense. “Na nova sessão legislativa, a gente precisa refletir até mesmo sobre o horário das sessões, para que haja maior participação popular”, finalizou Ilker.